Planeje-se para dar uma guinada em sua empresa em 2018

Freepik

No mundo dos negócios não existe sorte, nem mágica. Para obter sucesso em qualquer área é necessário capacitação e um planejamento bem feito, com foco em resultados.

Mas antes de começar a planejar o ano que está prestes começar, é importante olhar para o ano que está acabando e avaliar os pontos que mais deixaram a desejar e onde foram cometidos os principais erros.

Faça uma retrospectiva e uma análise criteriosa da sua administração. Avaliar o que deu errado pode ser um processo doloroso, mas por meio disso, você irá detectar pontos cruciais nos quais pode ter falhado, reavaliar conceitos e buscar alternativas para que o seu negócio decole nos próximos anos.

Não há outro modo de fazer isso senão com um bom planejamento, visão de futuro e investimento em capacitação. É bom destacar que isso é apenas o começo e deve ter uma continuidade.

Confira nossas dicas para acertar o passo e ter mais sucesso em 2018:

– Estabeleça objetivos para o ano, seja na área de vendas, mercado, melhorias e/ou investimentos;

– Elabore plano de ação para o alcance dos objetivos traçados;

– Compartilhe com a equipe os objetivos e planos de ação e monitore os resultados;

– Não misture as contas pessoais com as contas da empresa;

– Estabeleça uma renda mensal fixa como forma de salário para o proprietário administrador (pró-labore);

– Mantenha em dia os controles financeiros básicos: vendas, compras, contas a receber, contas a pagar, estoque e gastos com funcionários, entre outros;

– Conheça todos os custos da empresa e as oportunidades de mercado para estabelecer corretamente o preço de venda do produto e/ou serviço;

– Analise sua empresa hoje e tenha uma visão de futuro;

– Conheça a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus principais benefícios;

– Esteja sempre aberto para aprender;

– Sempre é possível implantar uma melhoria. Não se acomode, é possível inovar mesmo nas coisas mais simples.

Já leu nosso último post “5 apps gratuitos e essenciais para o empreendedor iniciante”? Confira aqui

5 apps gratuitos e essenciais para o empreendedor iniciante

Mão segurando o celular
Pixabay

Se você pretende abrir ou já é dono do próprio negócio, saiba que você pode (e deve!) contar com apps para te ajudar a gerir sua empresa. Principalmente se você é um Microempreendedor Individual e não possui uma equipe grande para lhe ajudar, é sempre bom ter algumas ferramentas, como aplicativos (apps), para facilitar seu dia a dia. E o melhor: sem pesar no bolso.

Existem aplicativos que podem ser muito úteis e ajudar a melhorar o seu negócio. O site da EXAME selecionou alguns deles e nós trazemos para você aqui. Confira:

1 – Aussi

Aussi/Reprodução

Aussi, por exemplo, é um aplicativo voltado para empreendedores iniciantes. Por meio dele, você pode se conectar, gratuitamente, a outros empresários e pode solucionar dúvidas entre si.

Com essa plataforma você pode se comunicar pessoas que entende de vendas, finanças, marketing, legalização, planejamento e sustentabilidade para empresas, por exemplo. Cada resposta pode receber avaliações de outros usuários, melhorando ainda mais essa comunicação. Também há uma área exclusiva para conteúdos com vídeos de empreendedores contando o segredo do seu sucesso.

O Aussi é gratuito e está disponível na versão para Android e para iOS.

2 – Evernote

John Larson/Flickr

Evernote é um aplicativo que vai te ajudar a gerenciar suas atividades (até mesmo as da vida pessoal). Lá é possível escrever e armazenar notas de diversos assuntos, em formatos como texto, áudio e foto. Além disso é possível acessar a ferramenta em diversos dispositivos e compartilhar com quem desejar.

O Evernote possui os planos Basic (gratuito), Plus (40 reais por ano), Premium (80 reais por ano) e Business (24 reais por usuário e por mês). Há a versão para desktop, para Android e para iOS.

3 – Hi App

Hiapp/Reprodução

Hi App é um aplicativo feito principalmente para quem sempre se esquece de levar cartões de visita para uma reunião (ou se preocupam com o meio ambiente). A ferramenta permite que você tenha seu primeiro cartão de visita 100% digital.

Com ele, o empreendedor pode criar, editar e compartilhar seu cartão. Além disso, dá para criar pastas e separar os cartões de seus contatos por eventos, por exemplo.

O aplicativo possui uma versão gratuita e outra paga, voltada para empresas maiores. Nesta, o dono de negócio pode criar cartões e customizar para diversos funcionários, reduzindo o custo com reimpressões e ajudando a reduzir o desperdício de papel. Quando os membros acessam o app, já encontram seu cartão pronto.

O Hi App está disponível para Android e para iOS.

4 – Qipu

Qipu /Divulgação

Lançado pelo Sebrae e pelo Buscapé, o Qipu é uma ferramenta que ajuda a controlar as obrigações das microempresas, mandando alertas sobre contribuições fiscais, sobre a arrecadação do microempreendedor ou sobre os benefícios a que ele tem direito.

O aplicativo, por exemplo, tem lembretes inteligentes para os que perdem a data de pagamento do DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional); tem um sistema de controle financeiro, que vincula as receitas e gastos com a declaração anual; e permite registrar e emitir notas fiscais e recibos pelo celular.

O aplicativo é gratuito e está disponível para desktop, Android e iOS.

5 – Trello

Trello/Divulgação

Trello é bastante conhecido por ser uma ferramenta de gerenciamento de projetos em listas extremamente versátil e que pode ser ajustada de acordo com as suas necessidades. Por meio de cartões, é possível dividir áreas de um projeto e acompanhar o progresso de cada um dos setores, por exemplo. A ideia é se livrar de post-its, planilhas e softwares complicados.

Há tanto um plano gratuito quanto dois planos pagos: o Business Class (10 dólares por mês e por usuário) e o Enterprise (até 20,83 dólares por mês e por usuário). Ele possui aplicações para desktop, Android e iOS.

 

Pesquise cada um deles e veja quais poderão ser úteis no seu negócio, afinal, a tecnologia deve ser utilizada para facilitar sua vida!

Continuar a ler “5 apps gratuitos e essenciais para o empreendedor iniciante”

Confira oportunidades promissoras para lucrar neste Natal

Imagem: Freepik

Datas comemorativas são sempre boas oportunidades para quem deseja melhorar o orçamento. O Natal está quase chegando e, com ele, a chance de garantir uma renda extra ou aumentar o seu fluxo de caixa neste fim de ano.

Por isso, preparamos uma lista com setores promissores para o período e dicas para incrementar os serviços e driblar a concorrência.

Vale lembrar que criatividade, planejamento e organização são fundamentais para o sucesso. É muito importante estar atento aos custos, se preparando para atender ao público, garantir o estoque, gerir o investimento, pensar na margem de lucro e capacitar os funcionários. É preciso planejamento para que os resultados sejam positivos.

Outro detalhe importante é realizar a divulgação do trabalho com alguma antecedência. Isso pode ser feito de maneira dinâmica e econômica por meio das mídias sociais.

Confira nossa lista:

– Alimentação: Se você tem talento ou trabalha nesse setor, que tal oferecer alimentos prontos para a ceia de Natal? Muitas famílias querem celebrar com todos reunidos em torno da mesa, mas falta tempo para preparar refeições mais elaboradas. Padarias também podem ofertar produtos diferenciados, inovando nos recheios dos famosos panetones (que podem, por exemplo, ser salgados) e chocotones (trufados). E dá para ir muito além, vendendo rabanadas e biscoitos decorados com motivos natalinos. Esses últimos são muito tradicionais em alguns países, mas ainda há espaço para explorá-los por aqui. Quem não tem condições de produzir algo muito elaborado, pode investir nas cestas de café da manhã, recheadas de produtos já prontos, e usar a criatividade para deixar tudo bonito e atrativo.

– Decoração: Se você tem o dom do artesanato, que tal investir em ornamentos típicos para adornar árvores e ambientes de modo geral? E dá para ir além do básico, fazendo porta-copos, sousplat, porta-guardanapos, jogos americanos, velas aromáticas e outros itens personalizados para deixar a mesa da ceia linda!

– Comércio: todos os tipos de produtos são demandados nesse período, para presente, deixando o comércio mais aquecido. Mas com criatividade, dá para ir além do óbvio, deixando o estoque bem variado, ou investindo em segmentação para atender a um público mais específico, que não encontra o presente que deseja em qualquer lugar. Não se esqueça de usar a criatividade para decorar sua vitrine e sua loja para atrair o cliente!

– Turismo: Nessa época do ano, muitas pessoas viajam para passar o período com a família em outra cidade e há os que optam por fazer turismo e emendar com o início do ano seguinte. Planeje-se para ter uma equipe à disposição nessas datas e muito bem treinada para atender às demandas com muita simpatia. Uma dica para atrair os clientes é disponibilizar as tradicionais ceias e cafés da manhã que remetam à data. Agregue valor com pequenas atitudes, como um quarto bem arrumado com um bilhete personalizado para a data, um lanchinho que remeta ao período, de cortesia, uma foto da família como brinde, um atendimento cortês e um agradecimento após a estadia.

Como formalizar meu negócio?

Se você já trabalha por conta própria, mas ainda não se formalizou, saiba que as vantagens da formalização são muitas e podem ajudar a alavancar seu negócio. Você passará a ter direitos beneficiário e também poderá emitir notas fiscais. Com isso, poderá vender seus produtos/serviços para empresas e até mesmo para o governo.Mas, afinal, como funciona a formalização?

Estamos falando aqui em um negócio relativamente pequeno, onde você fature até R$ 60 mil por ano. Pode ser, por exemplo, uma loja de roupa, um salão de beleza, um carrinho de cachorro-quente, um fotógrafo. Enfim, são mais de 450 atividades em que você pode se registrar, sendo uma ocupação principal e até 15 secundárias.

Você, porém, não pode ser titular ou sócio de nenhuma outra empresa e poderá ter, no máximo, um funcionário, com salário mínimo ou piso da categoria.

Quais as vantagens da formalização?

Ao se formalizar nas condições que estamos apresentando aqui, você se tornará um MEI, ou seja, um Microempreendedor Individual, dono do seu próprio negócio.

Com isso você terá direito aos benefícios previdenciários, como auxílio-maternidade, auxílio-doença, aposentadoria por idade, aposentadoria por invalidez, entre outros.

Você também terá um CNPJ e com isso poderá emitir nota fiscal, vender ou prestar serviços para o governo e ter acesso mais fácil a empréstimos e abertura de contas bancárias.

E qual o custo para ser um MEI?

Como Microempreendedor Individual você pagará impostos de forma reduzida. Será apenas um valor fixo mensal. Atualmente você pagará R$ 46,85 (relativo ao INSS) acrescido de R$ 5,00 (relativo ao ISS – para Prestadores de Serviço) ou R$ 1,00 (relativo ao ICMS – para Comércio e Indústria).

Este valor mensal deverá ser pago mensalmente por meio do DAS (o Documento de Arrecadação do Simples Nacional), que deverá ser emitido através do Portal do Empreendedor.

Quais meus deveres como MEI?

Ao se formalizar você deverá ficar atento para pagar em dia as suas contribuições por meio do DAS. O pagamento poderá ser feito por débito automático, pagamento online ou na rede bancária e casas lotéricas, até o dia 20 de cada mês.

Você também deverá ficar atento para, todo ano, declarar o valor do faturamento do ano anterior por meio da Declaração Anual do Simples Nacional – DASN (ou Declaração Anual Simplificada). Ela é bem simples e poderá ser preenchida por você mesmo, até o último dia de maio de cada ano, no Portal do Empreendedor.

Como faço a minha formalização?

Para se formalizar é bem fácil e rápido. Você deve acessar o Portal do Empreendedor e inserir o número do seu CPF e a data de nascimento.

Depois, insira o número do Título de Eleitor ou o número do recibo da declaração de Imposto de Renda dos últimos dois anos. Digite os caracteres solicitados e preencha o formulário com os dados solicitados.

Você receberá um código por SMS no telefone celular cadastrado, que será utilizado para confirmar o processo de abertura. Quando isso acontecer, insira o código recebido e confirme a inscrição. Pronto!

Caso você não queira fazer sua formalização sozinho, tiver algum receio ou ainda tiver alguma dúvida, pode ir a uma unidade do Sebrae mais próxima e receber esse atendimento, gratuitamente.

O curso à distância “Microempreendedor Individual” também pode te deixar bem informado sobre tudo o que é preciso saber para se formalizar: direitos, benefícios, obrigações e orientações para aumentar os lucros, conquistar mais clientes e até contratar um funcionário. Ele é gratuito e você pode fazer na hora que quiser.

Continuar a ler “Como formalizar meu negócio?”

Planeje-se para aumentar suas vendas no Natal

Freepik

Mais uma data comemorativa se aproxima e, com ela, novas chances para aquecer as vendas e a economia.

O Natal – período do ano mais aguardado pelo comércio – é comemorado no dia 25 de dezembro, mas as demandas já se intensificam no início do mês.

Se você, como todo mundo que trabalha com vendas, quer melhorar sua arrecadação neste Natal, saiba que não basta abrir as portas do estabelecimento. Para lucrar mais, é preciso usar a criatividade para driblar a concorrência e atrair mais clientes para o seu negócio.

E a hora é agora! Os especialistas garantem: períodos sazonais são melhor aproveitados se houver planejamento. Então, que tal conferir nossas dicas para se planejar e vender mais neste Natal?

1)    Estoque planejado: Quando um cliente procura por um produto e descobre que está em falta, a sensação é negativa, podendo ocasionar frustração e um não retorno em outras ocasiões. Pesquise os itens mais requisitados do momento na sua área de atuação e planeje seu estoque.

2)      Atendimento rápido e eficiente: Em períodos em que os estabelecimentos costumam estar mais cheios, redobre a atenção para não deixar os clientes esperando demais. A demora pode fazer com que eles desistam do produto ou serviço e procurem pelo concorrente. Planeje-se quanto à necessidade de pessoal para atender às demandas intensificadas do período. A contratação de mão de obra temporária pode ser uma opção.

3)      Boas condições de pagamento: A facilidade de pagamento é um incentivo à venda do produto. Qualquer empecilho pode se tornar motivo de desistência durante a compra do produto ou contratação do serviço. É importante aceitar diferentes bandeiras de cartões e estudar formas de possibilitar parcelamentos e descontos à vista, por exemplo.

4)      Layout interno propício: É ideal que os produtos estejam expostos de maneira que facilite a visualização para o cliente. Desta forma, ele poderá avaliar melhor a utilidade da mercadoria e se interessar por mais de um item. Além disso, é fundamental haver espaço para que ele circule livremente na loja – espaços muito apertados tendem a afastar as pessoas. Arrume seu ambiente, enfeite e decore para a ocasião! Coloque nos espaços mais visíveis aquilo que você mais deseja vender e retire caixas, pilhas de mercadorias ou qualquer outra coisa que esteja atrapalhando a circulação.

5)      Qualidade: Não se esqueça, coloque a boa qualidade em tudo o que vende ou faz. Essa postura é fundamental para a fidelização do seu cliente e para a boa e indispensável propaganda boca a boca.

Se você precisa se aprofundar mais nesta temática de vendas, saiba que o Sebrae ES tem uma programação repleta de cursos, palestras e oficinas sobre isso.

Algumas opções são gratuitas e outras com valores subsidiados. Confira algumas delas: Estratégias para ampliar minhas Vendas, Gestão Estratégica de Vendas Na Medida e Como Elaborar um Plano de Vendas.

Já leu nosso último post “5 dicas para atrair e fidelizar clientes na gastronomia”? Confira aqui

5 dicas para atrair e fidelizar clientes na gastronomia

freepik

Falta de tempo, praticidade, comodidade, lazer, happy hour, muitos são os motivos que levam as pessoas a se alimentarem fora de casa. Segundo dados do IBGE, o brasileiro gasta cerca de 25% de sua renda com alimentação fora do lar.

Se você tem um negócio nesse ramo precisa estar sempre atualizado para lidar com os clientes cada vez mais exigentes e se manter no mercado com uma concorrência cada vez maior.

Para atrair clientes você precisa oferecer mais que comida gostosa, precisa despertar o interesse das pessoas em conhecer seu estabelecimento e os produtos que você oferece. Confira abaixo algumas dicas para atrair e fidelizar seus clientes:

– Ofereça um bom atendimento

Esse primeiro item não deveria nem ser necessário pontuar, afinal, um bom atendimento deveria ser o mínimo que qualquer estabelecimento oferece ao seu cliente, mas sabemos que não é isso o que acontece. Na maioria das vezes o mau atendimento é realizado pelos funcionários e não representam a escolha do dono. Porém, a responsabilidade é de quem é o gestor do local, no caso, você, empresário.

Por isso é necessário que sua equipe esteja motivada a trabalhar e engajada a fazer com que a empresa se destaque no bom atendimento, atraindo e conquistando cada vez mais clientes. Seus colaboradores precisam se sentir como parte da empresa. Precisam perceber que, quando a empresa estiver bem, dando lucros, tendo clientes, eles também vão ser beneficiados com isso.

– Tenha um ambiente legal

O estabelecimento precisa refletir a ideia do seu negócio na sua ambientação local. A decoração pode chamar a atenção, atraindo olhares e clientes para a sua empresa. Se sua ideia é servir casais, deixe o local com uma ambientação mais intimista, aconchegante; se seu público é mais jovem, foque num ambiente mais descolado.

Se o nome da sua empresa tiver um tema, como música ou futebol, por exemplo, você pode apostar em objetos para a decoração, como LPs, instrumentos musicais, quadros com fotos de lances especiais no futebol, enfim, uma infinidade de oportunidades para deixar o local especial, podendo ser uma atração à parte.

A Cantina Mattiello, de Santa Teresa, por exemplo, que fabrica e vende vinhos, reformou a fachada utilizando um barril de madeira para chamar a atenção dos visitantes. Ao entrar na cantina, os clientes passam por dentro desse barril, onde encontram elementos que remontam há tempos distantes, como sofá, xícaras e quadros antigos, dando um clima todo especial ao ambiente.

– Ofereça pratos com algum diferencial

Você precisa sempre oferecer algum diferencial para que os clientes escolham você ao seu concorrente. Esse diferencial pode ser nos pratos, lanches e petiscos servidos. Você pode criar novas combinações de sabores, pode criar novas formas de servir os mesmos produtos ou ainda observar as tendências do mercado e oferecer algo parecido, com um toque especial.

Comidas em um tamanho menor ou maior, por exemplo, atraem a curiosidade das pessoas, assim como um acompanhamento diferente, sabores exclusivos ou até mesmo nova forma de se servir.

O Bar Abertura, em Vitória, por exemplo, criou em 1996 um petisco que hoje é famoso no Brasil inteiro: o kieber, um petisco de frango empanado recheado com presunto e queijo, e que hoje já é servido por outros estabelecimentos.

– Esteja conectado às tecnologias

O mundo está cada vez mais tecnológico, não tem para onde fugir. Ter um smartphone e estar conectado já é algo essencial às pessoas. A não ser que seu estabelecimento trabalhe um conceito de “unir as pessoas longe da tecnologia” e os clientes o procurem por isso, oferecer ferramentas para que eles possam estar conectados à internet é algo muito interessante.

Ofereça wi-fi gratuito e, se possível, tenha pontos de tomadas acessíveis aos clientes. (Energia e internet podem fazer seu cliente ficar mais tempo no seu estabelecimento — e gastar mais também!). Oferecer serviço de delivery por aplicativo também é algo que atrai os clientes mais antenados. Pensando nessa demanda muitos estabelecimentos já possuem o seu próprio aplicativo para delivery, oferecendo promoções e atrativos à parte.

A Empada da Caixinha, em Vila Velha, é um bistrô que já percebeu essa demanda de clientes ligados em tecnologia e é o primeiro estabelecimento do Espírito Santo a oferecer um cardápio digital, onde é possível fazer o pedido, chamar o garçom e encerrar a conta com um aplicativo aberto pelo QR Code oferecido no próprio estabelecimento.

– Melhore com as reclamações

Por mais que você se dedique e ofereça bom atendimento, bons produtos e bons processos, receberá críticas e reclamações. Você deve ficar atento e receber esse feedback da melhor forma, pois ele é o seu termômetro com os clientes e pode ser o responsável pelo seu sucesso.

Quando você está aberto para receber um retorno dos seus clientes, é possível resolver situações que estejam atrapalhando o bom andamento das suas vendas ou prestação de serviços. Dessa forma, não buque resolver apenas o problema que aparecer, de forma isolada. Verifique como aquilo aconteceu e busque uma solução para que o caso não se repita.

É importante também que você acompanhe as tendências do setor e os seus concorrentes. Para se manter atualizado, uma dica é participar do Seminário Metropolitano de Gastronomia, que acontecerá no próximo dia 21, em Vitória. As palestras abordarão a importância de se acompanhar a onda de tendências voltadas à tecnologia onde a inovação faz toda a diferença no ramo alimentício.

03 ferramentas para fazer um planejamento eficiente para sua empresa

pixabay

Para chegar onde se quer, é preciso se planejar. Sem planejamento, chega-se a qualquer lugar e, muito provavelmente, a destinos indesejados.

Mais do que a busca de um plano formal, o planejamento estratégico é um processo valioso de análise da realidade da empresa e de discussão de oportunidades.

Mas você ainda pode estar se perguntando por que fazer o planejamento estratégico de seu negócio. A resposta é simples: para implantar organização, direcionamento e controle, minimizando as deficiências e melhorando a eficiência.

O planejamento te permitirá, portanto, construir, rever ou desenvolver a leitura da realidade de sua empresa de forma crítica, coerente, completa, inteira, sistemática e compreensível. Assim, te possibilitará ter mais confiança, segurança e clareza do papel que você deseja que a sua empresa assuma no mercado.

Antes de falarmos sobre as ferramentas para o planejamento, de forma mais específica, é preciso ressaltar que o planejamento estratégico, para ser eficiente, deve ser feito a partir de uma sequência lógica, com planos de ação para curto, médio e longo prazo.

Para começo de conversa, é preciso fazer uma análise de cenário e definir os objetivos gerais e as estratégias gerais, o que se deseja alcançar e como, elaborando objetivos e estratégias.

Então, vamos à prática? Conheça as 03 principais ferramentas que podem te auxiliar no planejamento estratégico do seu negócio. Elas te ajudarão a ter sucesso empresarial, por meio de uma gestão ágil, eficiente e completa:

1. Análise SWOT

Essa ferramenta permite sistematizar a análise do cenário macroambiente e microambiente. Ao avaliar o macroambiente, ou ambiente externo, identificam-se oportunidades e ameaças.

O macroambiente é o ambiente que você não controla e do qual recebe impactos importantes relacionados à dinâmica dos setores político, econômico, social e tecnológico. Esse cenário contém oportunidades de mercado, mas também ameaças negativas e limitações que podem atrapalhar o seu desempenho no mercado.

O microambiente, ou ambiente interno, por sua vez, é aquele que você controla. Tenha foco na identificação dos pontos fortes e fracos da sua empresa. Identifique as potencialidades e aprenda a lidar com suas limitações.

Com base no conhecimento de todo esse cenário, basta traçar estratégias para aproveitar as oportunidades e os pontos fortes e minimizar as ameaças e os pontos fracos! A sigla “SWOT” deriva exatamente do que foi discutido aqui:

S — Strenghts (Forças)

W- Weaknesses (Fraquezas)

O- Opportunities (Oportunidades)

T- Threats (Ameaças)

2. PDCA

Essa metodologia, gerada nos Programas de Qualidade Total, orienta a organização a traçar estratégias seguindo as etapas de:

Planejamento: Fase em que se identifica problemas e estabelece planos de ação.

Executar: Fase de executar o que foi planejado.

Controle: Este é o momento de conferir se as metas foram atingidas e de acompanhar os indicadores.

Agir: Aqui, faz-se as correções necessárias, padronizando o que foi positivo nos processos anteriores.

Assim como no caso da ferramenta anterior, a sigla que dá nome à ferramenta “PDCA” deriva desses passos:

P — Plan (Planejamento)

D — Do (Executar)

C — Check (Controle)

A — Act (Agir)

3. Balanced Scorecard (BSC)

Esta metodologia mostra os indicadores de desempenho sob as perspectivas de finanças (área financeira), clientes, processos internos (operações internas), pessoas e aprendizado (recursos e infraestruturas).

Através de um mapa estratégico, são apresentadas as ações propostas em uma relação de causa e efeito. Os objetivos e as estratégias serão alcançados pelas ações relacionadas às seguintes expectativas:

Perspectiva de recursos e infraestrutura: serviços e máquinas adequados, profissionais motivados e competentes.

Perspectiva interna: produtos sem defeito, entregas pontuais, inovação de serviços e produtos.

Perspectiva do cliente: satisfação e fidelização.

Perspectiva financeira: retorno do investimento e valor para os acionistas.

Se você deseja se aprofundar no tema Planejamento, o Sebrae oferece diversas soluções, como a oficina Sei Planejar, para MEIs, o curso Planejamento Estratégico na Medida, para Microempresas, além de diversas soluções EAD dentro dessa temática.


Já leu nosso último post “Confira se sua empresa está ultrapassada”? Confira aqui

Confira se sua empresa está ultrapassada

Thinkstock

Você sabe que os clientes têm se tornado cada vez mais exigentes. A tecnologia vem ganhando cada vez mais espaço e o mercado mudou completamente. Porém, não é só isso. Os princípios e exigências dos funcionários também têm mudado e as empresas que não se adequarem podem perder capital intelectual e boas oportunidades de negócios.

Será que a sua empresa está parada no tempo? Para saber se suas práticas de gestão não estão de acordo com a era digital, a EXAME listou alguns sinais que sugerem a desatualização do seu negócio.

Confira cinco atitudes que mostram se sua empresa está ultrapassada:

1 — Sua empresa não sabe que felicidade gera produtividade

Os negócios que antecipam tendências já entenderam algo fundamental: as pessoas precisam ser bem tratadas para produzirem. Por isso, formular regras draconianas quanto a meras formalidades, como vestimentas e jornada de trabalho, é um dos sinais de que seu empreendimento está ultrapassado.

Muitas empresas já perceberam que funcionário mais feliz é mais produtivo. Quem não perceber isso terá dificuldade em contratar os melhores profissionais.

2 — Sua empresa não presta atenção no cliente…

O fechamento dos acordos também era mais simples antigamente. Com pouca oferta e muita demanda, uma negociação se resumia a um simples “sim” ou “não”. Se um cliente não quisesse comprar seu produto ou serviço, sem problemas: outro iria aparecer.

Hoje, há muita oferta no mercado e ganha quem possuir a melhor solução para o consumidor. Nesse cenário, a melhor forma de descobrir o que seu cliente procura é por meio da interação.

Conceitos como big data e inteligência artificial permitem que seu negócio conheça muito melhor seu consumidor, dando um atendimento mais preciso. Os empreendimentos que não participarem dessa virada tecnológica e levarem ao extremo o foco no cliente poderão estar fadados ao passado.

Tem sido cada vez mais comum encontrar os mesmos produtos em locais diferentes. Por isso, os clientes têm buscado, cada vez mais, vivenciar experiências ao interagir com uma marca.

3 — … E nem na concorrência

De forma análoga, sua empresa também precisa ficar de olho na concorrência: a qualquer momento, ela pode desenvolver uma nova estratégia. Em um mercado super competitivo, ignorar tais avanços é a receita certa para ser ultrapassado.

É preciso estar cada vez mais conectado com outras pessoas e outras empresas para se desenvolver. Por mais inovadora que seja sua ideia, em breve alguém fará algo parecido e, por que não, ainda melhor? Por isso, não trabalhe sozinho.

Ter a necessidade de buscar informação e de desenvolver contatos é justamente um traço dos empreendedores. Antigamente, para ter sucesso no mundo empresarial, bastava ser um bom administrador; hoje, além de dominar técnicas de gestão, é preciso ter tais traços inovadores incorporados ao seu comportamento.

4 — Sua empresa vive um luxo desnecessário

Um sinal fácil de perceber de que seu negócio está ultrapassado é olhar ao seu redor: você possui itens que não são necessários, apenas para manter um certo “status”?

Adquirir um espaço enorme, um maquinário de produção gigantesca ou contratar funcionários a mais fazem com que seu negócio fique financeiramente imobilizado — o que impede dar a devida importância à inovação.

Invista no que é realmente necessário, como desenvolvimento de produto e funcionários talentosos, e deixe gastos supérfluos de lado.

5 — Sua empresa acha que sustentabilidade é descartável

Você acha que sustentabilidade é apenas uma palavra bonita que faz parte da campanha de marketing? Se a resposta for sim, saiba que seu negócio não irá durar por muito tempo.

Especialmente durante períodos de recessão econômica, a questão sustentável costuma ser ignorada por empresários em prol da venda a qualquer custo. Mas não há como sobreviver em médio e longo prazo dessa forma, em qualquer tipo de negócio.

Ser uma empresa sustentável é mais que passar uma mensagem positiva perante seus clientes, é tomar atitudes que farão sua empresa respeitar o meio ambiente e ainda reduzir gastos diversos.


Já leu nosso último post “Passo a passo: saiba como conseguir crédito para seu negócio”? Confira aqui.

Passo a passo: saiba como conseguir crédito para seu negócio

pixabay

Você sabe quais cuidados precisa tomar antes de ir a uma instituição financeira pedir recursos? Saiba que, ao se planejar, você aumenta suas chances de sucesso nessa empreitada!

Por exemplo, antes de sair de casa em busca de crédito, é importante identificar a real necessidade de empréstimo ou financiamento; pesquisar a linha e o banco que melhor atendem a seu projeto e elaborar um plano de negócios.

Isso porque, para expandir os negócios, micro e pequenas empresas têm acesso a linhas de crédito específicas para o segmento ou a finalidade que se deseja alcançar com o recurso.

Confira abaixo as orientações do Sebrae para o empreendedor que precisa obter crédito:

Identifique a necessidade de crédito — Tenha em mente a finalidade do recurso pretendido e o valor necessário. Por exemplo, se você precisa comprar determinado maquinário, já faça uma pesquisa no mercado para saber o recurso necessário para isso. O mesmo vale para outros objetivos, como compra de matéria-prima, materiais e mão-de-obra para reforma, entre outros.

Preserve recursos próprios — O ideal é que você preserve recursos próprios para capital de giro e financie itens como máquinas e equipamentos, por exemplo. Nas linhas de financiamento para investimentos fixos, os limites são maiores, os custos são menores, os prazos de pagamento também são maiores e as garantias, facilitadas.

Mantenha um bom relacionamento com seu banco — Um bom histórico influencia a decisão do gerente de financiar seu projeto. Entre em contato com seu banco, mas não se esqueça de verificar as condições das instituições concorrentes.

Escolha a instituição financeira — Não basta simplesmente bater de porta em porta. Se você quer ser assertivo em sua busca, se informe previamente sobre as linhas de financiamento que melhor se enquadram às suas necessidades de crédito, especificamente. Procure saber quais instituições financeiras operam com essas linhas específicas. Lembre-se ainda que condições como custos, prazos e limites costumam variar de banco para banco. Então, quanto mais você conseguir especificar suas necessidades e pesquisar linhas e instituições que possam te dar o que você precisa, maiores suas chances de êxito.

Analise os fatores de restrição — Antes de sair em busca do crédito, garanta que você esteja com todos os fatores de restrição em dia, isto é, adequados às exigências dos bancos. Exemplos são situação legal, garantias e capital próprio.

Faça um plano de negócios — Esse instrumento é fundamental para mostrar ao banco que seu projeto é viável do ponto de vista financeiro. Algumas instituições, contudo, podem pedir que o estudo da viabilidade seja feito com a ferramenta dela. Lembre-se: qualquer instituição quer correr o mínimo de risco, por isso, elaborar um estudo com a análise de mercado, produto, operação e finanças demonstra a viabilidade do projeto, sua capacidade de pagamento e, claro, aumenta as chances de aprovação.

Faça o pedido — Ao chegar ao banco, apresente ao gerente de pessoa jurídica a documentação, as garantias e o plano de negócios, abordados nos itens anteriores, para que ele avalie seu projeto e possa te dar um retorno sobre a liberação ou restrição ao seu financiamento.

Se você deseja ou precisa aprender mais sobre esse tema, temos uma dica para você!

O Sebrae ES realizará o evento O Futuro do Mercado Financeiro para os Pequenos Negócios, que abordará as perspectivas e tendências do mercado financeiro para manter-se estável e em equilíbrio financeiro hoje, além de planejar o futuro de seu negócio.

O evento contará com palestra de Samy Dana, que é economista, doutor em administração e PHD in business. Dana é, ainda, apresentador do programa Conta Corrente, da Globo News, professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas, comentarista, colunista em sites diversos, autor de livros e possui mais de 15 anos de experiência em consultoria e palestras.

Na ocasião, você também saberá como renegociar dívidas com Instituições Financeiras, além de conhecer mais sobre linhas de crédito com o BNDES.

O evento acontece no dia 31 de outubro, a partir das 8h30, no Centro de Convenções de Vitória, na Rua Constante Sodré, 157, Santa Lúcia, Vitória.

É voltado para Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, com inscrições gratuitas e limitadas, sendo permitidos dois participantes por CNPJ.


Já leu nosso último post “Descubra como encantar o turista no atendimento”? Confira aqui.

Descubra como encantar o turista no atendimento

Garçom carregando uma bandeja com vários drinks
Pixabay
Turismo está relacionado à concretização de sonhos. E esses sonhos começam a se realizar antes mesmo da viagem — na escolha dos pacotes e roteiros, na contratação da empresa, no momento em que se começa a imaginar as paisagens e os destinos.

Essa relação tem seu auge durante a estadia no destino e deve continuar quando o turista retornar ao seu lugar de origem.

Para fazer parte do sonho do seu cliente, é fundamental encantá-lo à primeira vista, já no primeiro contato e atendimento.

O cliente nunca deve ter a impressão de que foi mal atendido, pois o bom atendimento é fundamental para a satisfação, a fidelidade do cliente e uma boa propaganda boca a boca.

Todo cliente exige um tratamento diferenciado, de acordo com suas diferentes necessidades. Se você quer aprender a fazer seu cliente se sentir especial, confira algumas das dicas do Sebrae, disponíveis no E-book Oito passos para encantar os turistas no atendimento:

Ótica do Cliente — Ser um estabelecimento turístico significa trabalhar enquanto todos estão se divertindo ou descansando. Turista não tem horário fixo. Por estar de folga, rotina é a última coisa que ele deseja. Por isso, seu estabelecimento precisa de flexibilidade de horários e capacidade de adaptação do serviço que será prestado. Restaurante fechado no horário de almoço; táxi que se recusa a levar os passageiros a determinados pontos da cidade; hotel que encerra o serviço de quarto às 22h ainda são realidades em muitos destinos turísticos brasileiros. Porém, essas situações são incompatíveis com a excelência no atendimento.

Foco no Cliente — Ter foco no cliente significa oferecer aquilo que ele deseja ou ter a capacidade de despertar vontades. Para isso, você precisa saber: Quem são seus clientes? Para onde foram nas férias passadas? Quanto gastam? Quanto tempo permanecem? O que esperam do destino? Esses dados podem ser obtidos, por exemplo, nas redes sociais, nas visitas aos sites dos empreendimentos, nas avaliações publicadas, nas pesquisas realizadas sobre a demanda turística dos destinos, entre outras fontes.

Parcerias — O turismo é mais forte quando há atuação em rede com foco na qualidade do atendimento. Por meio de parcerias, é possível conseguir preços melhores, produtos e serviços diversificados para seu cliente. O hotel, por exemplo, pode estabelecer parceria com uma agência de receptivo e oferecer roteiros com preços diferenciados. Além disso, outras parcerias podem ser feitas, como: Compras coletivas; Divulgação da produção associada local em hotéis e restaurantes; Operação de atividades nos diversos atrativos; Traslados.

Interatividade — Hoje as relações entre cliente e empreendimento precisam acontecer de forma mais ágil e interativa. Não basta ter presença on-line. É preciso investir no relacionamento, por meio das ferramentas disponíveis: mídias sociais, sites de avaliação, site do estabelecimento e tecnologias de realidade virtual. É preciso saber onde seu cliente está para marcar presença. Todo contato realizado guarda potencial de venda, desde que bem explorado. Por meio dessa interação com os clientes, o empreendimento pode oferecer um atendimento mais pessoal e divulgar seus produtos e serviços no mundo virtual.

Entregar valor — Entregar valor significa surpreender o cliente, oferecendo algo a mais do que ele comprou. Para isso, muitas vezes bastam pequenas atitudes, como um quarto bem arrumado com um bilhete de boas-vindas personalizado, um cafezinho de cortesia, uma foto do passeio como brinde, um atendimento cortês e um agradecimento após a estadia. Essas atitudes demonstram valor agregado ao produto ou serviço adquirido.

Você pode consultar essas e outras dicas no E-book Oito passos para encantar os turistas no atendimento.

Se quiser se aprofundar ainda mais e disponibilizar um produto ou serviço cada vez melhor ao seu cliente, você pode se inscrever no Seminário Empresarial de Turismo: por um empreendedorismo sustentável e inovador, que acontece no dia 24 de novembro de 2017, em Vitória (ES).

O evento é voltado para proprietários de micro e pequenas empresas da cadeia produtiva do turismo, caracterizadas como meios de hospedagens, bares e restaurantes, agências de viagens, guias de turismo, organizadores de eventos dentre outros, além de gestores públicos de cultura e turismo e demais interessados pela temática.

O objetivo é colaborar com o processo de adoção de boas práticas voltadas à incorporação da Tecnologia da Informação e Comunicação — TIC, inovação, sustentabilidade e acessibilidade no cotidiano das empresas da cadeia de valor do turismo. As inscrições são gratuitas, com vagas limitadas.


Já leu nosso último post “Ensine seu filho a ser empreendedor”? Confira aqui.