Aprenda a fazer um fluxo de caixa de maneira simples e eficaz

Aprenda a fazer um fluxo de caixa de maneira simples e eficaz

Saiba como fazer um fluxo de caixa eficiente.

Você sabe como fazer um fluxo de caixa simples e eficaz? Para muitos gestores pouco familiarizados com administração financeira e contábil, essa atividade essencial para qualquer negócio se apresenta como um verdadeiro bicho de sete cabeças.

Se esse é o seu caso, não entre em pânico nem se desespere, pois é mais fácil do que parece. Primeiro, é preciso cumprir um requisito básico, que é o da organização.

Sem saber identificar quais são as entradas e saídas em seu caixa, você nunca conseguirá fazer um fluxo de caixa eficiente. Posteriormente, será preciso projetar e monitorar alguns resultados, além de implementar algumas boas práticas que contribuirão para o trabalho.

Para entender a fundo como tudo deve ser feito, continue a leitura. Falaremos sobre como fazer um fluxo de caixa simples e eficaz.

Identifique as entradas e saídas de seu caixa

Identifique entradas e saídas em seu caixa

Como já destacado, o primeiro passo para fazer um fluxo de caixa é ter uma boa organização. Nesse sentido, é muito importante identificar com precisão todas as entradas e saídas de seu caixa.

Pensando na projeção de um mês, é necessário identificar a proporção de todas as receitas, despesas e suas respectivas datas de “entrada”. Além disso, será necessário organizá-las em categorias, como gastos com pessoal, contratos com fornecedores, tributos, fontes de receitas, etc.

Ainda é válido se preocupar em estabelecer uma distinção entre despesas fixas e variáveis, pois essa será uma informação estratégica para efetuar algumas projeções de resultados, como veremos a seguir.

Estruture uma programação de gastos 

Depois de identificar todas as fontes de receitas e despesas, é hora de realizar uma programação de gastos. Na prática, isso significa compatibilizar entradas e saídas em seu caixa para que nunca faltem recursos para cobrir todos os custos.

Ao negociar com fornecedores, por exemplo, é interessante pactuar datas de pagamento compatíveis com o saldo projetado em caixa. Assim, evita-se atrasos e eventuais despesas decorrentes de juros e multas.

Projete resultados para os próximos períodos

Fazer um fluxo de caixa vai além de compatibilizar receitas e despesas. Isso porque, embora esse seja um aspecto importante, o desejável é que se tenha uma gestão financeira capaz de projetar cenários de médio e longo prazo.

Pensando nisso, é fundamental que os gestores realizem projeções com base nas estimativas apuradas na identificação de fontes de receitas e despesas. A partir do monitoramento desses números será possível identificar diferentes cenários, tais como:

  • Haverá recursos sobressalentes para investimentos estratégicos?
  • A operação da empresa é financeiramente sustentável?
  • Qual o nível de endividamento a longo prazo?

Respondendo a perguntas como essas, as principais lideranças da empresa poderão tomar decisões gerenciais estratégicas para o futuro do negócio. Na identificação de dívidas insolúveis, por exemplo, será necessário rever vários aspectos da operação da empresa e pensar em uma engenharia financeira capaz de reverter o quadro.

Boas práticas para um fluxo de caixa eficiente

Vejamos, agora, algumas boas práticas que contribuem para um fluxo de caixa eficiente.

Mantenha bons registros

Como já destacado, é fundamental realizar o registro de todos os lançamentos em seu caixa. Sem essa prática, a realização do fluxo estará comprometida.

Parte desse trabalho de organização também deve contemplar as conciliações bancárias, que é a verificação de saldos insubsistentes em contas da empresa. Na prática, trata-se da apuração de todos os registros de determinado período para se conhecer a origem de determinado recurso arrecadado ou gasto.

Implemente ações de recuperação de devedores

Implemente ações para recuperação de devedores

A inadimplência é um problema que compromete a saúde financeira de milhares de empresas pelo país. No ano de 2020, o número de negativados nos cadastros de proteção de crédito chegou a impressionantes 60 milhões de CPFs. Isso significa que mais de 70% da população economicamente ativa apresenta algum tipo de restrição de crédito.

Apesar dos números pouco ou nada animadores, as empresas não podem deixar de colocar em prática ações para recuperação de devedores. Seja com alguns funcionários dedicados à atividade de cobrança ou a partir da terceirização desse serviço, é sempre válido trabalhar para reaver esses recursos.

Como você pôde conferir neste conteúdo, é relativamente simples fazer um fluxo de caixa eficiente. Com bastante organização e adotando algumas boas práticas, todo esse processo transcorrerá da melhor maneira possível.

E, para continuar acompanhando informações relevantes para aplicar em seu negócio, aproveite e confira este artigo de nosso blog: “Como tornar a gestão financeira mais eficiente para o seu negócio”.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *







Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.