5 apps gratuitos e essenciais para o empreendedor iniciante

Mão segurando o celular
Pixabay

Se você pretende abrir ou já é dono do próprio negócio, saiba que você pode (e deve!) contar com apps para te ajudar a gerir sua empresa. Principalmente se você é um Microempreendedor Individual e não possui uma equipe grande para lhe ajudar, é sempre bom ter algumas ferramentas, como aplicativos (apps), para facilitar seu dia a dia. E o melhor: sem pesar no bolso.

Existem aplicativos que podem ser muito úteis e ajudar a melhorar o seu negócio. O site da EXAME selecionou alguns deles e nós trazemos para você aqui. Confira:

1 – Aussi

Aussi/Reprodução

Aussi, por exemplo, é um aplicativo voltado para empreendedores iniciantes. Por meio dele, você pode se conectar, gratuitamente, a outros empresários e pode solucionar dúvidas entre si.

Com essa plataforma você pode se comunicar pessoas que entende de vendas, finanças, marketing, legalização, planejamento e sustentabilidade para empresas, por exemplo. Cada resposta pode receber avaliações de outros usuários, melhorando ainda mais essa comunicação. Também há uma área exclusiva para conteúdos com vídeos de empreendedores contando o segredo do seu sucesso.

O Aussi é gratuito e está disponível na versão para Android e para iOS.

2 – Evernote

John Larson/Flickr

Evernote é um aplicativo que vai te ajudar a gerenciar suas atividades (até mesmo as da vida pessoal). Lá é possível escrever e armazenar notas de diversos assuntos, em formatos como texto, áudio e foto. Além disso é possível acessar a ferramenta em diversos dispositivos e compartilhar com quem desejar.

O Evernote possui os planos Basic (gratuito), Plus (40 reais por ano), Premium (80 reais por ano) e Business (24 reais por usuário e por mês). Há a versão para desktop, para Android e para iOS.

3 – Hi App

Hiapp/Reprodução

Hi App é um aplicativo feito principalmente para quem sempre se esquece de levar cartões de visita para uma reunião (ou se preocupam com o meio ambiente). A ferramenta permite que você tenha seu primeiro cartão de visita 100% digital.

Com ele, o empreendedor pode criar, editar e compartilhar seu cartão. Além disso, dá para criar pastas e separar os cartões de seus contatos por eventos, por exemplo.

O aplicativo possui uma versão gratuita e outra paga, voltada para empresas maiores. Nesta, o dono de negócio pode criar cartões e customizar para diversos funcionários, reduzindo o custo com reimpressões e ajudando a reduzir o desperdício de papel. Quando os membros acessam o app, já encontram seu cartão pronto.

O Hi App está disponível para Android e para iOS.

4 – Qipu

Qipu /Divulgação

Lançado pelo Sebrae e pelo Buscapé, o Qipu é uma ferramenta que ajuda a controlar as obrigações das microempresas, mandando alertas sobre contribuições fiscais, sobre a arrecadação do microempreendedor ou sobre os benefícios a que ele tem direito.

O aplicativo, por exemplo, tem lembretes inteligentes para os que perdem a data de pagamento do DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional); tem um sistema de controle financeiro, que vincula as receitas e gastos com a declaração anual; e permite registrar e emitir notas fiscais e recibos pelo celular.

O aplicativo é gratuito e está disponível para desktop, Android e iOS.

5 – Trello

Trello/Divulgação

Trello é bastante conhecido por ser uma ferramenta de gerenciamento de projetos em listas extremamente versátil e que pode ser ajustada de acordo com as suas necessidades. Por meio de cartões, é possível dividir áreas de um projeto e acompanhar o progresso de cada um dos setores, por exemplo. A ideia é se livrar de post-its, planilhas e softwares complicados.

Há tanto um plano gratuito quanto dois planos pagos: o Business Class (10 dólares por mês e por usuário) e o Enterprise (até 20,83 dólares por mês e por usuário). Ele possui aplicações para desktop, Android e iOS.

 

Pesquise cada um deles e veja quais poderão ser úteis no seu negócio, afinal, a tecnologia deve ser utilizada para facilitar sua vida!

Continuar a ler “5 apps gratuitos e essenciais para o empreendedor iniciante”

Confira se sua empresa está ultrapassada

Thinkstock

Você sabe que os clientes têm se tornado cada vez mais exigentes. A tecnologia vem ganhando cada vez mais espaço e o mercado mudou completamente. Porém, não é só isso. Os princípios e exigências dos funcionários também têm mudado e as empresas que não se adequarem podem perder capital intelectual e boas oportunidades de negócios.

Será que a sua empresa está parada no tempo? Para saber se suas práticas de gestão não estão de acordo com a era digital, a EXAME listou alguns sinais que sugerem a desatualização do seu negócio.

Confira cinco atitudes que mostram se sua empresa está ultrapassada:

1 — Sua empresa não sabe que felicidade gera produtividade

Os negócios que antecipam tendências já entenderam algo fundamental: as pessoas precisam ser bem tratadas para produzirem. Por isso, formular regras draconianas quanto a meras formalidades, como vestimentas e jornada de trabalho, é um dos sinais de que seu empreendimento está ultrapassado.

Muitas empresas já perceberam que funcionário mais feliz é mais produtivo. Quem não perceber isso terá dificuldade em contratar os melhores profissionais.

2 — Sua empresa não presta atenção no cliente…

O fechamento dos acordos também era mais simples antigamente. Com pouca oferta e muita demanda, uma negociação se resumia a um simples “sim” ou “não”. Se um cliente não quisesse comprar seu produto ou serviço, sem problemas: outro iria aparecer.

Hoje, há muita oferta no mercado e ganha quem possuir a melhor solução para o consumidor. Nesse cenário, a melhor forma de descobrir o que seu cliente procura é por meio da interação.

Conceitos como big data e inteligência artificial permitem que seu negócio conheça muito melhor seu consumidor, dando um atendimento mais preciso. Os empreendimentos que não participarem dessa virada tecnológica e levarem ao extremo o foco no cliente poderão estar fadados ao passado.

Tem sido cada vez mais comum encontrar os mesmos produtos em locais diferentes. Por isso, os clientes têm buscado, cada vez mais, vivenciar experiências ao interagir com uma marca.

3 — … E nem na concorrência

De forma análoga, sua empresa também precisa ficar de olho na concorrência: a qualquer momento, ela pode desenvolver uma nova estratégia. Em um mercado super competitivo, ignorar tais avanços é a receita certa para ser ultrapassado.

É preciso estar cada vez mais conectado com outras pessoas e outras empresas para se desenvolver. Por mais inovadora que seja sua ideia, em breve alguém fará algo parecido e, por que não, ainda melhor? Por isso, não trabalhe sozinho.

Ter a necessidade de buscar informação e de desenvolver contatos é justamente um traço dos empreendedores. Antigamente, para ter sucesso no mundo empresarial, bastava ser um bom administrador; hoje, além de dominar técnicas de gestão, é preciso ter tais traços inovadores incorporados ao seu comportamento.

4 — Sua empresa vive um luxo desnecessário

Um sinal fácil de perceber de que seu negócio está ultrapassado é olhar ao seu redor: você possui itens que não são necessários, apenas para manter um certo “status”?

Adquirir um espaço enorme, um maquinário de produção gigantesca ou contratar funcionários a mais fazem com que seu negócio fique financeiramente imobilizado — o que impede dar a devida importância à inovação.

Invista no que é realmente necessário, como desenvolvimento de produto e funcionários talentosos, e deixe gastos supérfluos de lado.

5 — Sua empresa acha que sustentabilidade é descartável

Você acha que sustentabilidade é apenas uma palavra bonita que faz parte da campanha de marketing? Se a resposta for sim, saiba que seu negócio não irá durar por muito tempo.

Especialmente durante períodos de recessão econômica, a questão sustentável costuma ser ignorada por empresários em prol da venda a qualquer custo. Mas não há como sobreviver em médio e longo prazo dessa forma, em qualquer tipo de negócio.

Ser uma empresa sustentável é mais que passar uma mensagem positiva perante seus clientes, é tomar atitudes que farão sua empresa respeitar o meio ambiente e ainda reduzir gastos diversos.


Já leu nosso último post “Passo a passo: saiba como conseguir crédito para seu negócio”? Confira aqui.

Soluções on-line e gratuitas que ajudam a vender mais

http://br.freepik.com

Todo empresário do setor varejista tem sempre as mesmas questões em mente: como vender mais? Como conquistar novos consumidores? Como reter clientes?

Se você também se faz frequentemente essas perguntas, mas está sem tempo ou recursos para se capacitar, a boa notícia é que existem soluções gratuitas, disponíveis na internet, que te ensinam a conquistar todas essas coisas.

Você poderá acessar onde e quando quiser, sem gastar recursos financeiros para isso. Então não perca tempo e confira as soluções gratuitas e on-line que separamos para você:

Como vender mais e melhor: Neste curso, você se aprofundará em estratégicas que ajudarão a definir o foco do negócio, fortalecer seu posicionamento no mercado, estipular metas, estruturar uma equipe e definir estratégias.

Com tópicos atuais e aplicáveis no cotidiano das empresas, a capacitação ensina como colocar em prática o planejamento de um modelo de gestão comercial que proporcione aumento tanto na quantidade quanto na qualidade das vendas.

E-book Máquina de Vendas: Outro produto que pode servir de apoio é o e-book Máquina de Vendas — Crie um Processo Previsível e Escalável para Crescer. A publicação, gratuita, orienta o empreendedor a posicionar melhor seu produto ou serviço para atingir o cliente certo e estruturar o processo de vendas, do primeiro contato ao pós-venda.

O conteúdo foi produzido a partir da experiência de grandes líderes de marketing e vendas e da experiência prática de empreendedores.

Curso EaD Customer Success para Empreendedores: Por meio desta capacitação a distância, você aprende métodos para aumentar a satisfação dos seus clientes, como vender mais para a mesma base de consumidores.

Especialistas no modelo customer success mostram quais as habilidades necessárias para os profissionais da área, quais são as métricas e indicadores de satisfação e, por fim, como calcular o retorno sobre esse investimento.

Quem ministra o curso EaD é Daniel Hoe, diretor de Marketing para América Latina da Salesforce, maior empresa de CRM do mundo. Apaixonado por vendas e marketing e com mais de 15 anos de experiência em tecnologia, Daniel lidera as estratégias de geração de demanda, eventos, digital e comunicações da Salesforce.

E-book Marketing Digital — Esta é uma série de 8 E-books gratuitos sobre marketing digital. São materiais didáticos e práticos para ajudar sua empresa a conquistar clientes por meio das mídias digitais, além de posicionar-se corretamente em mídias sociais.

São diversos temas para você ler e aplicar imediatamente no seu negócio: E-mail Marketing; Mídias Sociais; Como criar uma página no Facebook; Marketing no Facebook; Facebook Ads; Loja Virtual para Pequenas Empresas; Introdução ao Google Adwords; Introdução ao SEO.

Programa varejo fácil — técnicas de vendas: A capacidade de saber vender e a de conquistar clientes são atitudes diferenciais no comércio varejista. Diante disso, este curso te ajudará a atualizar suas práticas de vendas e conhecer técnicas e estratégias que te auxiliarão a otimizar os resultados.

Entenda, também, como as ações desenvolvidas pela empresa na preparação do ambiente contribuem para atrair e manter o cliente na loja e provocar impactos significativos em suas vendas.

Marketing digital para o empreendedor: Neste curso, você vai entender quais são os diferenciais do Marketing Digital, aprender sobre as métricas que precisam ser monitoradas, como melhorar a gestão e integração dos times de marketing e vendas e como dar o próximo passo, elaborando um departamento de marketing digital.

Para aprender sobre o tema, contará com o apoio e a orientação do co-fundador da Rock Content, maior empresa de marketing de conteúdo do país, Vitor Peçanha.


Já leu nosso último post “Coloque as finanças da sua empresa em ordem”? Confira aqui

Encante seus clientes com uma boa vitrine

www.pexels.com

A vitrine é o primeiro canal de contato que o cliente tem com uma loja. Ela precisa encantar, atrair e convidar o cliente a entrar. Mais do que o cartão de visitas do estabelecimento, a vitrine é um dos principais recursos de comunicação com seu público-alvo.

Ela precisa chamar a atenção dos clientes de forma positiva. Itens expostos de forma errada, excesso de produtos e informações, luzes mal direcionadas, podem causar um efeito de retração e o cliente não ter vontade de entrar na loja. Com um espaço bem aproveitado e produtos bem-dispostos, a vitrine pode ampliar as chances de vendas.

Conheça abaixo algumas dicas para explorar bem esse espaço e conseguir resultados positivos:

Iluminação

A iluminação é importante para criar um espaço agradável e tem poder de transformar o clima, fazendo o cliente sentir-se confortável ou não. Ela pode valorizar um produto ou esconder suas qualidades.

As luzes do tipo dicroica (com refletor no seu interior) são as mais indicadas pela tonalidade de luz que emitem, um amarelo intenso que parece luz do sol, mas não tão forte, ressaltando as cores de tecidos e objetos. As luzes amareladas são mais usadas na decoração de vitrines em shoppings ou para serem ligadas no período noturno.

A luz branca é uma tonalidade de luz forte e por isso não é indicada para vitrine, a não ser que seja utilizada em vitrines altas em que a iluminação não se concentre em apenas um
 objeto. Neons, abajures e outros tipos de iluminação são soluções criativas para criar uma vitrine diferente.

Independente da sua escolha pela iluminação fique atento ao consumo de energia e sempre que possível procure as opções de LED, que são as mais econômicas.

Temas

Decorar a vitrine não é um trabalho fácil. Você deve sempre se colocar no lugar do consumidor e tentar imaginar o que poderia agradar. Você pode utilizar temas para montar sua vitrine que estejam associadas ao cenário atual, como estações do ano e datas comemorativas. As lojas de roupa costumam utilizar muito esses recursos.

Você pode ficar atento também aos acontecimentos que estejam “na moda”. Nas redes sociais, por exemplo, alguns assuntos ganham destaque rapidamente e espalham como o “assunto do momento”. Se o negócio com o que trabalha permitir, você pode aproveitar a ocasião para decorar sua loja com itens que remetam ao acontecimento. Mas fique atento, pois é preciso que seu público-alvo compreenda a mensagem ou poderá haver um ruído de informação e afastar seus clientes.

Seja qual for a temática escolhida, o objetivo é despertar a atenção das pessoas, apresentando seus produtos e serviços de forma atraente.

Elementos inusitados

Elementos diferentes também podem estar presente na sua vitrine. Dependendo do seu ramo de atividade, pode incluir elementos que chamem atenção e tenham a ver com seu negócio. Se for de roupas esportivas, por exemplo, pode colocar itens de esporte (mesmo que não venda estes itens); se você trabalha com música, pode colocar itens de homenagem a um artista específico; pode utilizar flores; móveis; cabides diferenciados. Basta usar a imaginação.

Os elementos podem estar no piso da vitrine, afixados na parede ou até mesmo suspenso, dependendo do tema e dos produtos que se quer evidenciar.

O uso de escadas também é uma opção na hora de montar um cenário diferente. Práticas e baratas, elas podem ser utilizadas para expor produtos, servir de inspiração para a colocação de manequins, além de poderem ser repaginadas (com cores novas) para a próxima ideia.

Texturas e materiais

Elementos com texturas ajudam a compor um visual diferenciado para a vitrine e para o ambiente da loja. O aspecto macio, liso, áspero, brilhante de uma superfície ajuda a chamar a atenção do cliente.

Entre as opções de texturas estão tecidos, pinturas, bolas, móveis de diferentes materiais, elementos naturais, como pedras e folhas ou recursos como grama artificial e outros elementos diversos. Basta utilizar a imaginação.

Você também pode trabalhar com a repetição de um determinado elemento ou produto, criando um cenário diferenciado e atrativo.

Tome muito cuidado para não exagerar ou poluir a vitrine com muitas informações. É importante comunicar descontos ou promoções, porém é preciso ficar atento na quantidade de itens expostos com descontos. O indicado é comunicar bem, sem ser exagerado ou apelativo.

Para garantir uma boa vitrine, faça um bom planejamento do que pretende destacar e quando utilizará os temas. Assim, se você tiver um orçamento restrito pode potencializar suas vendas para as datas mais importantes.

Você também pode procurar a ajuda de especialistas para garantir um bom melhor resultado para sua empresa.


Já leu nosso último post “Entenda se sua ideia de negócio é viável”? Confira aqui.

5 dicas para ter um e-commerce de sucesso

Pixabay.com

O mercado de e-commerce no Brasil continua em expansão. Essa modalidade de comércio cresceu 9,23% e chegou a 600 mil lojas eletrônicas em 2017, segundo o estudo “O Perfil do E-Commerce Brasileiro 2017”, encomendado pelo PayPal Brasil à BigData Corp.

Em 2017, também chama a atenção o boom no número de e-commerces de grande visitação — aqueles com mais de 500 mil visitas mensais. Enquanto em 2016 esses sites tinham participação marginal no total de lojas online, de apenas 0,76%, hoje representam 14,77% do total de lojas virtuais.

Com perspectiva de continuar crescendo, ainda há espaço para mais negócios na esfera virtual. E o empreendedor pode aproveitar essa onda. Mas, antes de abrir o seu comércio eletrônico, deve dar uma olhada nas cinco dicas listadas pela Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, que podem ser muito úteis para o sucesso da empresa virtual.

1. Escolha da plataforma

Por meio da plataforma o lojista apresenta seus produtos aos consumidores e disponibiliza soluções de pagamento. Os modelos existentes no mercado são diversos. Avalie se o layout de loja e as formas de pagamento oferecidas estão de acordo com as suas necessidades. Leve em conta também o atendimento que a empresa oferece, pois é através desta plataforma que você administrará a sua loja virtual.

2. Provedor confiável

Uma loja virtual fica aberta 24 horas por dia, sete dias por semana. Por isso, um domínio fora do ar pode significar prejuízo nos negócios. Na contratação do provedor, vale até gastar um pouco mais, se isso for garantir um serviço de qualidade.

3. Formas de pagamento

Meios de pagamento ágeis e seguros fazem toda a diferença no comércio eletrônico. Quanto mais formas você oferecer, mais clientes vai satisfazer. O meio mais usado para o pagamento de compras virtuais atualmente é o cartão de crédito, mas não se deve descartar outras possibilidades, como os cartões de débito, de lojas, boletos, transferências bancárias e até o celular.

4. Logística precisa

É obrigação do lojista garantir que os produtos vendidos em seu comércio eletrônico cheguem ao cliente no prazo certo e em perfeitas condições. O custo disso não é baixo, e deve constar nas despesas totais de implementação da loja virtual. O serviço completo de logística inclui a recepção das mercadorias, a estocagem, o deslocamento dos produtos para preparação do pedido e, finalmente, a estrutura de transporte para a entrega dos itens.

5. Atendimento confiável

Para efetuar a compra em uma loja virtual, o cliente precisa confiar naquele site. Afinal, o pagamento é feito antes do recebimento da mercadoria. Oferecer um serviço eficiente de atendimento ao cliente pode ajudar o consumidor a se sentir mais seguro. Uma equipe bem treinada e pronta para sanar dúvidas faz toda a diferença. Entre as ferramentas disponíveis para suprir essa necessidade, chats online, e-mail e atendimento telefônico.

Se você já tem ou pretende investir em um e-commerce, não deixe de conferir o post que fizemos abordando outras dicas para um e-commerce de sucesso, levando em consideração alguns fatores-chave.


Já leu nosso último post “Dicas para não misturar as finanças pessoais com a empresarial”? Confira aqui.

Marketing Digital — use as plataformas corretas e tenha bons resultados

www.pixabay.com

O marketing digital ou virtual, já é uma realidade no cotidiano das empresas em todo o mundo e deve ser também uma preocupação dos empreendedores de pequenos negócios. Cada vez mais utilizadas, as redes sociais são grandes aliadas na divulgação de produtos e serviços, além de realizar uma aproximação entre clientes e marcas.

As plataformas mais usadas pelas empresas de sucesso e pelos consumidores são o Facebook, Twitter, Instagram e o WhatsApp. Conheça um pouco mais sobre essas ferramentas e como utilizá-las a seu favor:

Facebook

Umas das principais plataformas, se não a principal, quando se trata de marketing digital, é o Facebook. Essa ferramenta proporciona uma interação quase completa entre empresa e consumidor, com imagens, textos, vídeos, além do contato direto via bate-papo. Outro ponto de crucial importância dessa rede social é a possibilidade de patrocinar seus post’s, fazendo com que eles alcancem um público com perfil segmentado estrategicamente por você, aumentando o alcance do seu público alvo.

Algumas dicas para obter sucesso no Facebook são dar preferência a textos curtos, que resumam o que está à venda e uma foto ilustrando esse produto. A criação de uma página (Fanpage) para o seu empreendimento também é fundamental para divulgar e vender seus produtos e serviços.

Twitter

O Twitter é uma das plataformas apresentadas aqui que mais limita a interação entre empresa e consumidor. Isso porque o tamanho do texto a ser usado nas publicações é limitado a 140 caracteres. Então, se você quer anunciar pelo Twitter, saiba sintetizar suas ideias e mantenha uma linha de publicação diária com uma periodicidade de postagens. As hashtags possuem grande importância no Twitter. Crie três ou quatro que possam representar bem sua marca e passe a utilizá-las. Essa plataforma pode ser um bom meio de aproximar seu cliente da sua empresa, pois proporciona uma linguagem mais pessoal e próxima da sua clientela. Personificar sua página também ajuda a atrair clientes.

Instagram

O Instagram é uma plataforma que vem sendo muito usada principalmente pelo comércio, pois funciona à base de publicações de fotos e vídeos curtos, tornando-se uma boa alternativa de divulgação e vendas. O Instagram já permite inserir mais de uma foto na mesma publicação, aumentando as vantagens para quem pretende divulgar um produto. Inúmeras empresas já utilizam a rede social dessa forma, postando a foto do produto e aguardando interações e contato através da “Direct” — o bate papo do Instagram — para assim negociar e efetuar a venda. Publicar fotos de alta qualidade e com certa periodicidade são dicas para efetuar um bom marketing digital nessa plataforma.

WhatsApp

O WhatsApp como marketing digital é a plataforma onde você tem o contato direto com seu cliente. Ele permite o envio de mensagens escritas, áudios e vídeos, que se enviados de forma estratégica, podem influenciar o consumo de seus produtos ou serviços. Você pode utilizar a ferramenta para divulgar seus produtos e serviços, avisar sobre promoções, responder às perguntas dos clientes e atender delivery.

Você deve tomar cuidado, porém, para não bombardear seu cliente de mensagens e causar um feedback negativo. Por isso, importante fazer um “Double opt-in”, ou seja, pergunte ao cliente se ele permite esse tipo de comunicação e se você pode adicioná-lo à sua lista de contatos. Quando você manda mensagens para clientes sem autorização, o efeito dessa mensagem pode ser contrário, ou seja, ele pode se irritar por receber mensagens sem autorização.

Não há dúvidas de que o uso das redes sociais é muito importante para as empresas, independentemente de ser uma grande, média, pequena ou microempresa. Cada vez mais a população utiliza a internet e busca esse meio como principal fonte de busca por produtos e serviços. Mas não adianta querer abraçar o mundo se você não consegue.

Planeje as redes sociais nas quais você poderá se dedicar e ter uma boa atuação. É melhor estar atuante em poucas plataformas do que ter presença digital em todas, mas não interagir, responder ou deixar desatualizado.


Já leu nosso último post “Tendências para empreender em 2017”? Confira aqui.

Os 20 aplicativos gratuitos mais usados por empreendedores

www.pexels.com

O dia a dia do empresário é sempre uma correria, afinal, ser dono do próprio negócio requer estar atento 24 horas por dia ao que acontece na empresa. Para facilitar a vida dos empreendedores, diversos aplicativos têm sido criados buscando otimizar a gestão empresarial. E o melhor: todos com versões gratuitas.

Para ajudar os empreendedores que querem ter essas ferramentas de gestão à mão, o site EXAME.com ouviu alguns donos de negócios para saber quais são os aplicativos mais utilizados, desde aqueles para gestão das contas até para cadastro de pedidos ou para comunicação com a equipe.

Os apps indicados possuem formas gratuitas de uso e nas versões pagas, alguns são precificados em dólar e outros, em reais (caso a empresa já tenha operações personalizadas para o Brasil).

Asana

O Asana é um aplicativo voltado para a eficiência. A ideia é que, na mesma plataforma, os donos de negócio consigam ver tarefas e seu andamento e gerir o time por meio de conversas coletivas e privadas, por exemplo. Há uma interface que integra todas as ações descritas.

Ele possui tanto a versão gratuita quanto a versão Premium (8,33 dólares por usuário e por mês). A ferramenta está disponível para desktop, para Android e para iOS.

Aussi

O Aussi é um aplicativo voltado para auxiliar os empresários de pequeno porte: por meio dele, os empreendedores se conectam de forma gratuita e podem solucionar dúvidas entre si.

O app está disponível na versão para Android e para iOS. A versão para desktop será inaugurada em breve.

Imagem: Aussi

Beer or Coffee

O Beer or Coffee é um aplicativo ideal para que os empreendedores possam fazer networking. Por meio da plataforma, é possível encontrar pessoas com interesses similares ao seu e, com poucos cliques, convidá-las para um café ou uma cerveja nos próximos 30 minutos. Dá para aproveitar o momento e criar conexões profissionais.

É uma rede privada: para fazer parte, é necessário ser convidado por outro usuário ou fazer parte dos locais que o Beer or Coffee já atua: o Cubo Coworking, em São Paulo; o San Pedro Valley, em Belo Horizonte; e o Startup Chile, em Santiago (Chile). O aplicativo está disponível para Android e para iOS.

Imagem: Beer or Coffee

Bling

O Bling é um Sistema de gestão online de empresas: por meio dele, é possível organizar notas fiscais, estoques, cadastros, vendas e finanças. Outro diferencial é que ele possui integração com diversas plataformas de e-commerce, o que facilita o cadastro das informações.

Ele possui a versão gratuita, além das pagas: Cromo (25 reais por mês), Cobalto (50 reais por mês), Titânio (100 reais por mês) e Platina (300 reais por mês). A ferramenta está disponível na versão para desktop e para Android.

Imagem: Bling

Contador de Cliques

O Contador de Cliques é uma ferramenta bem simples, porém útil para empreendedores do varejo: ao pressionar um botão, o contador adiciona um número à contagem. É como escrever números em uma folha de papel — só que de forma mais rápida e sem gastar papel.

O aplicativo é gratuito e está disponível apenas para Android.

Imagem: Contador de Cliques

Evernote

O Evernote quer ser o aplicativo ideal para “gerenciar tudo na vida”: é possível escrever e armazenar notas de diversos assuntos, em formatos como texto, áudio e foto. É possível acessá-lo em diversos dispositivos e compartilhar com quem desejar.

O Evernote possui os planos Basic (gratuito), Plus (40 reais por ano), Premium (80 reais por ano) e Business (24 reais por usuário e por mês). Há a versão para desktop, para Android e para iOS.

Imagem: Evernote

Followers para Instagram

Além de usar o Instagram para fazer negócios, é preciso ficar de olho em como anda sua presença nesta rede. Para isso serve o Followers for Instagram: por meio dele, você consegue acessar dados sobre quem deixou de seguir o perfil da sua empresa, quantas pessoas estão engajadas com sua marca e quais postagens deram mais certo.

O Followers for Instagram está disponível apenas para iOS. Ele é gratuito, mas há recursos pagos dentro do aplicativo.

Imagem: Followers para Instagram

Hootsuite

O Hootsuite é uma ferramenta que permite o agendamento em massa de posts nas redes sociais. Por meio dele, por exemplo, é possível gerenciar na mesma tela os posts no Facebook, no Instagram e no Twitter, por exemplo, além de seguir as estatísticas de audiência de cada página e perfil.

A ferramenta é gratuita para gestão de até três contas. Depois, a mensalidade passa a ser de 8,99 dólares por mês. Além da versão para desktop, há versões para Android e para iOS.

Imagem: Hootsuite

Instabridge

A ferramenta Instabridge, apesar do nome, não tem muito a ver com o Instagram: é um serviço de compartilhamento de wifi gratuito. Na plataforma, é possível verificar as redes que cedem gratuitamente o acesso e se conectar: ao todo, há o registro de mais de 3 milhões de conexões.

O aplicativo está disponível para Android e para iOS.

Imagem: exame.com

Instagram

O Instagram, como todos já sabem, é um aplicativo focado no compartilhamento de imagens. Porém, ele não serve apenas para quem quer tirar selfies: também é muito usado pelas empresas para fazer negócio (saiba mais aqui).

O Instagram possui versões para Android, para iOS e para Windows Phone. Também é possível acessar por meio do desktop — mas não publicar fotos.

MailChimp

O MailChimp é uma ferramenta para fazer um marketing digital mais eficiente do seu negócio: por meio dele, é possível criar e-mails padrão, automatizar o envio em massa, montar formulários, gerar recomendações de produtos aos consumidores e ver estatísticas sobre cada ação.

Os planos do MailChimp são o Forever Free (gratuito), o Growing Business (15 dólares por mês) e o Pro Marketer (15 dólares por mês + 200 dólares para a assinatura de profissional). Há a versão para desktop, para Android e para iOS.

Imagem: MailChimp

Lookback

O Lookback é uma ferramenta feita para os empreendedores digitais: com ela, é possível gravar as interações que os consumidores fazem com produto — toques na tela, cliques e comandos de voz usados, por exemplo. É possível analisar esses dados coletados e montar uma imagem de como é a experiência do usuário.

O Lookback é gratuito e pode ser usado no desktop e em smartphones com Android e com iOS.

Imagem: Lookback

Qipu

Lançado pelo Sebrae e pelo Buscapé, o Qipu é uma ferramenta que ajuda a controlar as obrigações das microempresas, enviando alertas sobre contribuições fiscais, sobre a arrecadação do microempreendedor ou sobre os benefícios a que ele tem direito (veja mais sobre o app).

O aplicativo é gratuito e está disponível para Android, para iOS e para Windows Phone, além da versão web.

Restorando

O Restorando é um aplicativo que agencia reservas de restaurante. Ainda que pareça ser voltado para o consumidor, empreendedores de alimentação podem usá-lo para gerenciar o fluxo de seus empreendimentos.

O Restorando está disponível nas versões para desktop, para Android e para iOS.

Imagem: Restorando

Skyscanner

O Skyscanner é um buscador gratuito de passagens aéreas, hospedagem e aluguel de carros. Ele é focado em quem precisa planejar viagens de forma eficiente — como empreendedores.

O Skyscanner possui a versão para desktop e também aplicativos para Android, para iOS e para Windows Phone.

Slack

O Slack é um aplicativo para trocar mensagens em grupo. Ele é cheio de ferramentas, e isso atrai os donos de negócio: é possível criar grupos públicos e privados; enviar arquivos de serviços como Google Drive e Dropbox; e realizar integrações com serviços como Twitter e Asana para agrupar notificações, por exemplo.

O Slack possui quatro planos: o gratuito, o Standard (6,67 dólares por usuário e por mês), o Plus (12,50 dólares por usuário e por mês) e o Enterprise (ainda não lançado). Há a versão para desktop, para iOS e para Windows Phone.

Imagem: exame.com

Telegram

Assim como o Slack ou o mais famoso WhatsApp, o Telegram também é um serviço de mensagens. Porém, o seu diferencial é que sempre forneceu uma maior segurança das informações trocadas por meio de criptografia, o que é essencial para proteger dados de empresas.

O Telegram está disponível na versão para desktop, para Android, para iOS e para Windows Phone.

Trello

O Trello é um visualizador de listas descolado. Por meio de cartões, é possível dividir áreas de um projeto e acompanhar o progresso de cada um dos setores, por exemplo. Jogando os cartões de um lado para outro, é possível atualizar instantaneamente o progresso de cada tarefa. A ideia é se livrar de post-its, planilhas e softwares complicados.

O Trello possui três planos: o gratuito, o Business Class (9,99 dólares por usuário e por mês) e o Enterprise (20,83 dólares por usuário e por mês). Há a versão para desktop, para Android e para iOS.

Imagem: Trello

WhatsApp

O WhatsApp, assim como o Instagram, é outro serviço muito usado por quem não é empreendedor: ele serve para trocar mensagens de forma simples. Porém, no caso dos negócios, também pode servir para prestar atendimentos (saiba mais aqui).

O WhatsApp possui aplicativos para Android, para iOS e para Windows Phone. Com a aplicação baixada, também é possível acessar pelo desktop.

Zapier

O Zapier é um aplicativo feito para conectar todas as ferramentas que o empreendedor usa em seu dia a dia. Assim, ele consegue se focar no que realmente é importante: produzir. Ao todo, mais de 500 apps estão disponíveis para integração dentro do Zapier.

Há três planos: o Free Forever (gratuito), o For Work (partindo de 20 dólares por mês) e o For Teams (partindo de 100 dólares por mês). É preciso fazer o cadastro na plataforma para começar a usar nas versões desktop e mobile.

Agora que você já conheceu diversos aplicativos importantes para auxiliar na gestão de seu negócio, não perca tempo! Baixe aqueles que podem ser mais úteis para você e aproveite cada vez mais os benefícios da tecnologia em sua empresa.


Já leu nosso último post “Moda plus size: um segmento a ser explorado”? 
Confira aqui.

Moda plus size: um segmento a ser explorado

www.pexels.com

Mais da metade da população brasileira adulta está acima do peso. E dessa parcela, 17,9% estão obesas, segundo dados da pesquisa Vigital (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico). Essas pessoas demandam por roupas de tamanhos grandes e aquecem um nicho de mercado em expansão: o de moda plus size.

A procura por roupas desse tipo tem crescido e atualmente existem poucas empresas atuando no ramo, podendo se tornar uma possibilidade de negócio, especialmente para micro e pequenas empresas.

De acordo com pesquisa do Sebrae, 17,7% das lojas do varejo da moda do Brasil vendem roupas em tamanho grande, sendo que apenas 3,5% são especializadas em moda plus size. Segundo o estudo, 71% das pessoas que usam tamanho GG têm dificuldades para encontrar roupas nas lojas e 86% delas se dizem insatisfeitas com as opções de roupas para manequins grandes.

A pesquisa mostra também que a maioria do público tem dificuldades de comprar vestido de festa (59%), calças (56%) e lingerie (49%). Além disso, a maior parte compra roupas mensalmente (38%) em lojas de departamento, em sua maioria (52%).

Apesar dos números apontarem um nicho de mercado a ser explorado, os interessados devem ficar atentos, pois atuar nesse segmento exige uma compreensão sobre o público, suas necessidades, anseios, percepções e comportamentos. São pessoas que procuram não apenas uma roupa que atenda ao seu manequim, mas conforto por meio da costura, do corte, do tecido, sem deixar de lado a beleza da peça.

Você também pode segmentar ainda mais esse público e trabalhar com produtos direcionados, por exemplo: jovem, feminino, masculino, infantil, casual, festa, fitness, moda praia etc.

Se você se interessou pelo assunto e pretende atuar no mercado plus size, confira algumas dicas importantes:

Faça um plano de negócios

Elabore um plano de negócios para compreender a demanda em sua região, quem são seus clientes, concorrentes, fornecedores e quais as chances de sucesso do empreendimento.

Seja diferente

Para alcançar seu público-alvo, busque diferenciais. Apesar do número de empresas relacionadas a este segmento ser menor, é importante atrair e fidelizar seus clientes. Ofereça vantagens e benefícios exclusivos e tenha em mente que a moda plus size não deve ter o objetivo de disfarçar o excesso de peso, mas valorizar partes do corpo e ser confortável. Que tal ter à disposição um personal stylist?

Invista na moda

Aposte em peças com rendas, brilhos, cores e modelos que estão na moda. Fique atento às tendências para garantir que suas peças caminhem na mesma direção. Assine revistas especializadas, acesse blogs e sites de referência, busque estar sempre informado sobre o assunto. Cada vez mais bem resolvidas, mulheres desse nicho querem peças com mais charme.

Treine seus vendedores

Conhecer o produto ou serviço oferecido e saber lidar com clientes são atitudes fundamentais. Lembre-se que, mesmo quando um cliente vai até seu estabelecimento somente para olhar alguma promoção, o bom atendimento pode fazer a diferença para uma compra efetiva acontecer no momento ou futuramente e ainda indicar a empresa para outros clientes.

Se você se interessou pelo tema, pode dar uma olhada em outras informações no Papo de Negócios. Lá você encontrará outras dicas voltadas para a moda plus size.

Mas lembre-se: mesmo com um nicho de mercado em expansão e diversas informações sobre o segmento, é importante fazer um planejamento antes de iniciar o negócio. Contrate uma consultoria; busque outras informações em livros e fontes confiáveis; faça capacitações presenciais e online; busque instituições de apoio às empresas. Planeje-se, busque conhecimento e tire sua ideia do papel.


Já leu nosso último post “6 Dicas para vender mais em tempos de crise”? 
Confira aqui.