5 Tendências para os pequenos negócios no pós-pandemia

5 Tendências para os pequenos negócios no pós-pandemia

Conheça as principais tendências de negócios no pós-pandemia

Pouco mais de um ano depois da confirmação do primeiro caso de COVID-19 no país, vivemos em um mundo completamente diferente daquele de meses atrás. Além da crise sanitária sem precedentes que ainda assola o país e o mundo, temos uma economia reconfigurada em diversos setores. Já se fala, por exemplo, de tendências que se consolidarão no período pós-pandemia.

O mercado consumidor, como um todo, já deu sinais claros de que não se comporta da mesma forma que antes. Houve um crescimento vertiginoso das vendas online, uma preferência por experiências de atendimento cada vez mais qualificadas e por comodidades como serviços de entrega e afins.

Empreendedores de diferentes segmentos que, ao longo do último ano, tiveram que se reinventar, puderam perceber todas essas mudanças na prática. E eles também sabem que os próximos períodos não serão menos desafiadores.

Foi pensando nisso que preparamos este artigo com as principais tendências para pequenos negócios no pós-pandemia. Continue a leitura e saiba mais.

1. Valorização de negócios locais no pós-pandemia

Logo após a implementação das primeiras medidas restritivas de circulação em todo o país, surgiram diversas dúvidas sobre qual seria o futuro de milhões de negócios considerados não essenciais. Afinal, com o fechamento do comércio, a sobrevivência dessas empresas estaria ameaçada, sobretudo daquelas de menor porte.

A partir desse momento, houve uma grande mobilização dos meios de comunicação, entidades e pessoas em geral em favor dos chamados negócios locais. Diversas campanhas foram veiculadas na mídia e nas redes sociais incentivando o público a comprar dessas empresas.

Iniciativas como essa, embora insuficientes para reverter o panorama econômico, ajudaram milhares de pequenas empresas a passarem pelo período mais crítico da crise. E, pela mobilização constituída na época, podemos considerar que o incentivo a negócios locais é algo que veio para ficar.

2. Preocupação com protocolos de higiene e limpeza

Confira quais são os principais protocolos de higiene e limpeza no pós-pandemia

Outra tendência pós-pandemia que já se consolidou são os cuidados com os protocolos de higiene e limpeza em estabelecimentos comerciais. Trata-se, inclusive, de determinações legais, as quais não sabemos quanto tempo vão durar. Provavelmente estamos falando de medidas que se estenderão pelos próximos anos.

Mas, independentemente disso, qualquer negócio que esteja minimamente atento aos desdobramentos da crise sanitária dará tratamento adequado à questão. Nesse sentido, destacamos alguns tópicos presentes em diversos protocolos emitidos por autoridades sanitárias do país:

– Orientar a higienização das mãos com sabonete líquido inodoro e agente antisséptico após a secagem das mãos em papel toalha (preferencialmente álcool gel 70% ou outro antisséptico registrado na ANVISA);

– Indicar o uso de toalhas de papel não reciclado e lixeira acionada sem contato manual;

– Fornecer Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados para a atividade exercida e em quantidade suficiente. Caso a atividade não possua protocolo específico deverá ser fornecido no mínimo máscara;

– Providenciar barreira de proteção física quando em contato com o cliente;

– Não utilizar ou compartilhar itens de uso pessoal com os colegas de trabalho, como EPIs, fones, aparelhos de telefone, e outros, fornecendo esses materiais para cada trabalhador;

– Realizar a higienização frequente das maçanetas, torneiras, corrimãos, mesas, cadeiras, teclados, computadores, botões de elevadores, telefones e todas as superfícies metálicas constantemente com álcool a 70%;

– Reforçar os procedimentos de higiene de todos os ambientes, como depósitos, sanitários e áreas de circulação de clientes, além dos pontos de retaguarda da loja, como a área do estoque e de apoio para recebimento de mercadorias;

– Sistematizar a limpeza local (piso, balcão e outras superfícies) com desinfetantes a base de cloro para piso e álcool a 70% para as demais superfícies, no mínimo, duas vezes ao dia, ou conforme necessidade;

– Não utilizar espanadores para limpeza de poeira em produtos, mercadorias e objetos dispostos no estabelecimento.

3. Adequação ao trabalho remoto

Ao falarmos de tendências pós-pandemia para pequenos negócios, não podemos deixar de citar a necessidade de adequação ao trabalho remoto. Se em um primeiro momento tudo foi feito de maneira um tanto improvisada, as empresas agora precisam pensar em como se organizar de maneira mais assertiva nesse sentido, se assim for conveniente para o negócio.

As vantagens de aderir a esse sistema de trabalho, como se sabe, são muitas. Existe, por exemplo, a possibilidade de contratar mão-de-obra qualificada em diferentes localidades e não somente onde o seu negócio está sediado. Há também uma economia considerável em despesas fixas da sede da empresa, como água, luz, conservação e limpeza.

Diversas empresas têm adotado, a título de experiência, um regime híbrido, em que o trabalho acontece presencialmente durante alguns dias e de maneira remota em outros. Essa flexibilidade, inclusive, é muito bem aceita pelos funcionários.

4. Disponibilização de serviços de entrega

Entenda a importância da disponibilização do serviço de entrega

Os serviços de entrega, seja qual for a área de atuação de seu negócio, também vieram para ficar no pós-pandemia. Isso porque, em função das medidas de restrição de circulação, os consumidores descobriram o quão positivo é contar com essa facilidade para suprir diferentes necessidades de consumo.

No setor alimentício, por exemplo, quem ainda não ofertava a opção de delivery, rapidamente teve que se adaptar. Até mesmo o setor supermercadista, que não era muito adepto a esse tipo de serviço, investiu massivamente para a disponibilização de entrega.

Em outros segmentos, como o de vestuário, lojas passaram a entregar os produtos na residência dos consumidores para que eles possam experimentar as peças e escolher aquelas que desejam comprar, sendo essa mais uma forma de driblar as medidas de restrição de circulação.

5. Fortalecimento das vendas pela internet

No pós-pandemia, o esperado é que os pequenos negócios deem mais atenção às redes sociais. Como se sabe, esses canais vinham crescendo em relevância mesmo antes da crise sanitária, levando milhões de empresas a promoverem ações nesse meio.

Perfis em redes como Facebook e Instagram permitem uma interlocução direta junto ao público muito apropriada para a qualificação desse relacionamento. Há, inclusive, empresas que realizam vendas diretas em seus perfis.

Ao falarmos de tendências para pequenos negócios no pós-pandemia, citamos a necessidade de adequação à realidade do trabalho remoto. Para quem deseja se aprofundar nesse tema, sugerimos a leitura deste artigo: “Como sobreviver ao home office em meio à crise do coronavírus”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *







Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.